Fernando Menezes

Professor da Faculdade de Direito da USP

01 de novembro de 2017 | 7:00

Um país corrompido, formado por indivíduos honestos? – Fernando Menezes

Foi noticiada pela imprensa a Pesquisa Nacional de Valores de 2017, realizada pelo Datafolha (sob encomenda de Crescimentum e Barret Values Centre). Nesse levantamento, o valor ou comportamento que mais representa o Brasil, segundo os entrevistados, é a “corrupção” (item que já liderava a lista na pesquisa anterior, de 2010), seguido de “violência/crime” e “pobreza” (esses itens inverteram posições em relação a 2010).

No entanto, as mesmas pessoas que responderam à pesquisa, ao identificarem os valores pessoais que as representam no plano individual, apontam, nas três primeiras posições: “amizade”, “alegria” e “honestidade”.

Salta aos olhos, portanto, (dentre outras tantas análises que podem ser feitas a partir desses dados), um evidente distanciamento, na percepção dos brasileiros, entre o que configura sua dimensão individual e o que forma a sociedade brasileira.

Como explicar um país cujas características notórias são a corrupção, a violência e a desigualdade, porém sendo formado por indivíduos honestos, alegres e amistosos?
Não suponho que as respostas dadas não hajam sido sinceras. Admita-se que, em um caso ou outro, possa ter havido certa condescendência, levando a autoavaliações mais favoráveis… Ainda assim, isso não muda a validade da opinião pessoal, justamente enquanto elemento formador do caráter nacional.

Aceitando-se a idoneidade da pesquisa, dois fatos graves se destacam desse cenário.
De um lado, o descolamento entre o individual e o coletivo, a agravar o individualismo, matéria prima do patrimonialismo que corrói o Brasil desde seu nascimento.

De outro lado, o afastamento entre a vida pública e a vida privada, com o desestímulo a que pessoas bem-intencionadas busquem dedicar-se à gestão da coisa pública, ou sintam-se responsáveis pelo bem de todos, com evidentes prejuízos para a sociedade, especialmente para suas parcelas mais vulneráveis.