Jaime Pinsky

Historiador, professor titular da Unicamp, diretor da Editora Contexto e organizador do livro História da Cidadania

06 de dezembro de 2017 | 11:05

Corrupção também é só a dos outros? – Jaime Pinsky

Corrupção é como preconceito, só os outros é que praticam. A nossa é religião, a dos outros é seita. Os outros mentem, nós apenas brincamos. Nossa sobrinha se diverte, a vizinha é uma p…mesmo.  Nós só não gostamos de negros, judeus, árabes, estrangeiros em geral, nordestinos, mineiros, gaúchos, gordos, baixinhos, molecada e velhos, mas isso não é preconceito, é claro…preconceito quem tem é o outro…Será que nosso tecido social está tão apodrecido que, além de a corrupção fazer parte do nosso dia a dia ainda temos a pachorra de encontrar desculpas para nossas atitudes?

Casos recentes no futebol. Em setembro de 2017 um atacante do Corinthians fez um gol contra o Vasco da Gama fazendo uso da mão, o que é irregular. Entrevistado após o jogo ele fingiu não ter notado qual parte do corpo bateu na bola (camarada distraído, hein?) e se mostrava muito feliz, pois, com seu gol a la Maradona fez seu clube vencer a partida e se beneficiar grandemente. Torcedores do seu time demonstraram inconformismo e reprovaram sua atitudo? Desonestidade?  Não. Esperteza.

Semana passada um jogador do Coritiba socou a bola na área adversária. O juiz, pensando ter visto o defensor  adversário cometer a falta na área deu pênalti, invertendo a falta e punindo o clube inocente. O Coritiba bateu o pênalti e fez o gol. O atleta em nenhum momento se acusou confessando ao juiz ter ele mesmo cometido a infração. A torcida vibrou. O time mostrava valentia e esperteza.

Apenas futebol. Não. Prática social comum. Cometida por atletas e aprovada pela torcida.

Bandidos são sempre os outros. Os nossos só botaram a mão na bola (ou na grana) sem querer.