Glauco Costa Leite

Juiz de Direito do Tribunal de Justiça de São Paulo e doutorando em Direito Constitucional pela USP

25 de dezembro de 2017 | 10:03

Carta de um Corrupto ao Papai Noel – Glauco Costa Leite

Prezado Papai Noel,

Eu sei que não fui um bom menino, mas creio que podemos estar entrando (sic) em um acordo. Para começar eu posso te ajudar fornecendo malas para levar esses seus brinquedos aí. Elas têm uma capacidade muitíssimo maior de transporte do que esse saco que você carrega nas costas. As malas transportam dinheiro que é uma beleza. Só não entendo por que levar brinquedo pra criança, que não vota e não paga propina… Então, se o senhor me garantir os pedidinhos que eu vou fazer, eu posso te ajudar a entregar mais presentes, desde que seja, claro, no meu reduto eleitoral, e antes da eleição de 2018. Conheço uns empresários que podem te ceder o jatinho para as entregas, aí você larga esse negócio de trenó, rena…

Bom, o presente que eu mais preciso é a manutenção do foro privilegiado. Além disso, peço que as investigações contra mim sejam arquivadas de plano. Se não for possível, então que ao menos existam diversos pedidos de vista, ainda que a maioria já esteja formada. Não deixe a Lei da Ficha Limpa me pegar, ela é muito má! Não deixe meu partido abrir investigação em comissão de ética contra mim. Não leve presentes para quem me delatar. Na verdade, se possível, acabe com esse negócio de delação premiada. Poxa, ela destrói a confiança que sempre existiu entre nós corruptos. Se por alguma infelicidade minha prisão for decretada, que eu tenha a sorte de ter um relator bem bonzinho com os corruptos, que entenda, ora bolas, que aqui o esquema é esse, que todo mundo sempre fez assim e ponto.

Papai Noel, por favor faça com que as acusações contra mim não fiquem muito tempo na mídia. E quando estivermos próximos às eleições de 2018, que o povo me veja bem belo e formoso na caríssima peça publicitária cujo pagamento podemos fazer em valor distinto do declarado, na Lapônia, que tal? O senhor é bom nisso, diz aí. Todo mundo associa o Natal a você e nem lembra do aniversariante que é celebrado. Então, faz o mesmo comigo, que todo mundo esqueça minhas tramoias, e me veja como um grande político, administrador…

Aliás, eu sei que o senhor não poderá me dar de presente no próximo ano as grandes construtoras para o financiamento da minha campanha. Então, me ajude a ter ao menos um belo Caixa 2, acima de qualquer suspeita, que eu recompensarei os “contratantes”, digo, doadores…

Bem Papai Noel, a vida é dura para todo mundo. O bom velhinho precisa ajudar o velhaco aqui, para eu poder ajudar o senhor, sabe como é né. Qualquer dúvida, fala com o Rô, ele é de confiança…

QUE NÃO SEJAMOS O PAPAI NOEL DOS CORRUPTOS EM 2018!